Nós não podemos erradicar as drogas, mas podemos fazer que as pessoas parem de morrer por causa delas

Há algo muito especial sobre as drogas ilícitas. Se elas nem sempre fazem o usuário se comportar irracionalmente, elas certamente fazem muitos não-usuários se comportarem dessa maneira. – Leister Grinspoon, Professor de Psiquiatria em Harvard.

O Jornal Four Corner da noite passada focou nas drogas usadas em festas e nas políticas que a Austrália está implementando para combater seu uso. Não só o que estamos fazendo não funciona, como nós(EUA) estamos ficando para trás do resto do mundo e as evidências mostram que é melhor assegurar que tenhamos menos mortes devido ao uso de drogas ilícitas.

Voltando algumas décadas nas atitudes globais, drogas eram ruins, usuários eram maus e as mortes dos consumidores eram a prova do perigo inerente das drogas e um inevitável resultado das pessoas insistirem em violar a lei.

Agora, se nós observarmos as políticas de drogas de outros países, Cannabis medicinal e recreacional tem sido aceitas, tanto como salas seguras de injeção e uso.

A união europeia continua a desenvolver programas de testes de drogas (onde drogas recreativas são testadas em relação a seus efeitos em festivais de música eletronica e outros ambientes onde são consumidas). Em abril, a sessão especial da Assembleia Geral da ONU considerou descriminalizar o uso pessoal de drogas.

Enquanto isso, Austrália continua trabalhando com ideais punitivas e proibicionistas, apesar das mudanças no resto do mundo. Quer seja com uso de cães farejadores em festivais (o que se mostra ineficaz em detectar traficantes), ou testes de drogas em beira de estrada (para os quais não há evidência de prevenção de acidentes), nós parecemos felizes em adotar intervenções que tenham poucas comprovações em detrimento das que as possuem.

A mudança mais fundamental na política de drogas mundial foi de mudar o foco do moralismo em relação ao uso para manter os jovens seguros. Mais pessoas estão começando a aceitar que jamais estaremos “livre de drogas”. Uma década depois, a especialista em política de drogas Marsha Rosenbaum em “Segurança em Primeiro Lugar” ensina aos pais substituir “Apenas diga não” (just say no) por “apenas diga que sabe” (just say know).

A guerra mundial contra as drogas

Embora muitos tenham sido convencidos de que seria uma questão de saúde pública, o início da guerra às drogas foi amplamente ideológico. Isso ficou muito claro tanto na Austrália como no resto do mundo.

Cães farejadores de drogas em festivais são ineficazes e potencialmente perigoso. Então, por que ainda insistem em seu uso? Tracey Nearmy / AAP

Cães farejadores em festivais são ineficazes e potencialmente perigoso. Então, por que ainda insistem em seu uso? Tracey Nearmy / AAP

A comissão nacional para o abuso de Maconha e Drogas, também conhecida como o Relatório Shafer de 1972, foi abandonada pois concluiu que havia “poucas provas de dano físico ou psicológico devido à experimentação ou uso intermitente de preparações naturais de Cannabis”. Isso não era o que o presidente Nixon queria ouvir.

Quando o MDMA foi proibido, o professor de psiquiatria da Universidade de Harvard argumentou com sucesso que teria utilidade como um medicamento, até que o presidente Ronald Reagan forçou a proibição por uma ação executiva. E então a política continuou a prevalecer sobre a ciência.

Desde que a guerra às drogas começou, o mercado inteiro mudou. Drogas agora são procuradas pela internet, encomendada de químicos industriais produzindo com pureza farmacêutica, pagas usando criptomoedas e entregues pelo correio. As mais novas nunca são identificadas nem por cães nem por testes toxicológicos de rotina.

Isso não quer dizer que o mercado seja seguro – longe disso. Mas drogas são atualmente mais fáceis de obter e muitas não podem ser detectadas.

Porque não mudamos?

Há alguma sugestão que em New South Wales (Austrália), ao menos, todo capital político que existia para ser gasto já foi utilizado para a maconha medicinal, então não há motivos para abrir um outro front no combate a “guerra às drogas”.

Mais precisamente, políticos australianos estão temerosos pelas suas carreiras – eles temem que uma guinada perceptível na política de drogas possa levantar questões sobre sua capacidade de julgamento.

Entretanto, com significantes mudanças provavelmente emergindo da sessão especial da Assembleia Geral da ONU sobre drogas de abril de 2016, questões difíceis serão provavelmente feitas àqueles que historicamente perseguiram, contra toda evidência em contrário, a guerra mundial contra as drogas.

A mais provável e desapontadora razão para os políticos australianos estarem envergonhados em fazer qualquer debate sobre a política de drogas é o “custo afundado” da ordem de vários bilhões de dólares da guerra contra as drogas. Tanto foi gasto na atual e falida abordagem que eles são pressionados a manter o status quo, independente das evidências.

Cães farejadores em festivais – o que o Ombudsman de New South Wales classificou como desperdício de dinheiro e mesmo potencialmente perigoso – custam em torno de um milhão de dólares australianos por ano em cada jurisdição. Com essa quantidade de dinheiro, dez programas de checagem de drogas podem ser implantados na Austrália dentro de semanas obtendo muito mais efeito que o já observado com cães farejadores.

Se nossos políticos desejam continuar com uma pequena credibilidade em política de drogas, agora seria um excelente e politicamente recompensador momento para começar a escutar as evidencias.

FONTE


Agradecemos imensamente a tradução feita pela colaborador Antonio Dias.
Seja você também um colaborador, entre em contato:

equipemundocogumelo@gmail.com

Obtenha mais conteúdo como esse

Inscreva-se em nossa newsteller e receba os novos posts em seu email!

1 responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 + 8 =