Pergunte ao Dr. Shulgin #1

Já imaginou ter suas cartinhas respondidas pelo pai do MDMA?
Sim, isso já aconteceu na internet a um tempo atrás.
Separamos para vocês umas bem legais…

foto por Bruno Torturra

Alexander Shulgin e seu jardim de cactus mágicos – foto por Bruno Torturra


LSD duradouro e “Flashbacks”

Caro Dr. Shulgin:

Eu ouvi falar que o LSD nunca sai do corpo, e pode ficar no seu cérebro por vários anos? Isso é verdade? E seria a causa dos chamados “flashbacks”? Obrigado

Shulgin:

O mito da “molécula persistente” do LSD teve início pela Drug Enforcement Administration em uma reunião de dois dias em San Francisco, no final de 1991. O DEA convidou cerca de 200 participantes de grupos de aplicação de lei (nacionais e estrangeiros) para trocar informações relativas aos LSD. Os agentes foram informados de que não era apenas o local de armazenamento conhecido (os lobos frontais do cérebro), mas também a duração do tempo em que a substância ficava ali (até vinte anos).

“A evidência está toda sobre nós”, eles foram informados. “O uso indiscriminado do LSD do Verão do Amor (nos anos 60) levou diretamente, através do relançamento dessas moléculas escondidas e dos flashbacks resultantes, para as hordas de sem-teto, os psicóticos, e os desprivilegiados aqui das ruas de San Francisco”.
Uma pista auditiva ou visual pode trazer de volta uma memória de uma experiência anterior. O resíduo de qualquer quantidade tangível do produto químico em si, no cérebro ou no sangue do utilizador depois de 24 horas, é, no entanto, totalmente sem sentido.


PMA um perigo nas Raves?

Caro Dr. Shulgin:
Eu ouvi dizer que há vários PMA sendo vendidos em raves é que pode matar. O que está acontecendo?

Shulgin:
Você está absolutamente certo. PMA é a sigla para parametoxianfetamina, que é uma droga bastante perigosa na cena rave.

Em níveis razoáveis (talvez 60 miligramas mais ou menos por via oral) é um estimulante modesto, dá uma ligada.

A uma dose de dois comprimidos, duas vezes essa dosagem, se torna um estimulante forte e é uma ameaça para o sistema cardiovascular. Mas as pessoas em raves podem ser vistas tomando seis pílulas de uma vez, e com PMA isso pode colocá-los em uma situação perigosa, que pode ser letal.

Tenha cuidado, essa é uma droga potencialmente prejudicial.


Educação e Enteógenos

Caro Dr. Shulgin

Qual o caminho que você recomendaria para um cidadão formado nos Estados Unidos que esteja interessado em prosseguir com a Química e a exploração de substâncias alteradoras de consciência assim como o senhor tem feito?

Shulgin:
Eu recomendaria fortemente a obtenção de um grau acadêmico avançado e uma educação abrangente.

O grau, um Ph.D. seria o mais desejável, mas a disciplina específica que você vai seguir para obter, não é tão importante quanto se poderia pensar. Se a química é para ser uma grande área científica de curiosidade, procure um departamento de química, mas se inscreva em um programa de graduação que permita a tomada de cursos não-químicos também. Isto pode levar a uma A.B. na graduação em vez de um B.S. A escolha de seu orientador de pós-graduação deve ser feita, em parte, para desenvolver sua compreensão do conceito de pesquisa. O que sua pesquisa real levará ao seu Ph.D. ainda é bastante inconseqüente. Quando você desejar compartilhar suas descobertas, é a aquisição desse doutorado que permitirá que sua voz seja ouvida por um público maior.

Mas para ter sucesso na troca de informações você tem que se comunicar, e isso requer um amplo vocabulário. Esta é a recompensa por ter feito cursos sobre tudo em seus anos de graduação, desde a psicologia até a teologia. Muitos estudiosos jovens ficam presos mergulhando cada vez mais profundamente em um campo, aonde sua disciplina vai ficando cada vez mais estreita. A emoção da descoberta de tal pesquisa é tão gratificante, mas há um público cada vez menor que podem compreender ou sequer se preocupam com suas descobertas. Se você não pode se comunicar com muitas pessoas, você vai perder o feedback inestimável que é essencial em sua busca por um entendimento pessoal dos efeitos das drogas que alteram a mente.

 


Enteógenos – Significado e Futuro

Caro Dr. Shulgin:

Qual a sua opinião sobre o verdadeiro significado do conceito moderno sobre os enteógenos ? Quais as futuras aplicações que os mesmos possam ter na nossa sociedade? Eu trabalho com idéias filosóficas e eu estou tentando ver onde toda essa exploração irá chegar.

 

Shulgin:

Você perguntou duas questões, e eu não estou certo de que eu possa responder a qualquer uma delas. Mas eu vou tentar. Você tem abordado a área dos enteógenos e gostaria de saber exatamente onde estamos agora, e onde poderíamos ir?

Pra começar, o que o nome “enteógenos” quer dizer? Eu sou um pouco antiquado e ainda uso a expressão carregada (e um pouco fora de moda) “Psicodélicos”. Eu recebi um pouco de críticas por esse velho hábito. Anos atrás, um jornal científico insistiu no termo “Psicotomiméticos”, então relaxaram no sinônimo aceito “Alucinógenos”, e finalmente concordaram(por alguns anos) que a palavra “Psicodélicos” deveria ser usada nos títulos e resumos dos relatórios médicos e comentários. Mas isso sempre causou uma intimadora e condenatória associação entre a cena farmacológica (estados alterados de consciência, autoconhecimento, exploração do inconsciente) com a cena social (A multidão Hippie no Golden Gate Park no final dos anos 60, amor livre e o Grateful Dead). Um novo eufemismo para esses componentes era necessário, e algumas incomuns entraram na cena literária da medicina.

O que você faz com uma classe de drogas que lhe dê uma posição inicial limpa em uma área que foi manchada por associações negativas com pessoas e histórias do passado? Você encontra um novo nome. Uma das primeiras tentativas foi com “Entactogens”, que remeteu as origens de “Tátil”, alusão ao toque. Para tocar dentro. E, na verdade muitos materiais podem ser usados dessa forma. Este é o coração do valor psicoterapêutico destes compostos. Você pode realmente fazer contato com o inconsciente oculto de um paciente, utilizando agentes tais como MDMA.

Houve uma proposta do nome “Empathogens”, trazendo uma ênfase ao estado de empatia gerada por alguns desses materiais. Mas para aqueles que achavam que a ênfase no sacramental superava a ênfase psiquiátrica, o termo “Enteógenos” era mais atrativo. A existência de Deus dentro da gente. “Em dentro, and “Theo” Deus, e “Gen” que é abreviação pra Genesis, Origem ou Criação. Uma nova droga fantástica pode revelar que há um Deus dentro da gente. Mas a droga não o cria dentro de nós.

E então, vamos para o futuro. Isso é difícil de responder, e é com certeza total especulação. Nós não sabemos o que ira vir no futuro. Qualquer previsão é irremediavelmente enredada com os desejos do vidente. Mas, eu tenho minha própria agenda, e eu prevejo uma aceitação cada vez mais ampla da exploração humana com estes materiais. Seu valor intrínseco será visto a serem superiores aos riscos. Eles serão encontrados para ter valor sacramental a mais e mais pessoas. Haverá uma maior apreciação do seu valor de entretenimento. E a partir deles, tenho a certeza, haverá o desenvolvimento de novas ferramentas de investigação para o estudo científico dos processos mentais humanos.


Música Favorita

Caro Dr. Shulgin:

Em primeiro lugar, eu só quero dar-lhe os meus agradecimentos e apreço por tudo o que você tem dado e sacrificado para a nossa comunidade. Em segundo lugar, eu queria saber quais as suas peças de músicas favoritas para ouvir ao ser iluminado pelas substâncias?

Shulgin:

A música que Ann e eu escolhemos como companhia para qualquer experiência é geralmente vinda de um de três grupos de compositores, e das categorias de tanto familiares quanto desconhecidas.

No grupo dos compositores, há o clássico, o Russo e do Leste Europeu, e algo moderno. O clássico contém principalmente Bach( o Brandenburg Concerti, French and English Suites, Musical Offering e qualquer coisa tocada por Gleen Gould). Os grupos Russos são em grande parte Prokofiev, Shostakovich e Stravinsky. Aqui nós adoramos ficar nos cantos menos conhecidos. Quantas vezes tais gemas como The Prodigal Son, The Symphonic Song ou The Soldier’s Tale são tocadas nas estações locais de música? E há a riqueza de Poulenc, de Bartok e de Dohnanyi, que são tesouros individuais.

Tambores africanos, pássaros da natureza até os corações do Espaço. Se ele pega você, você tem um amigo e vai aprender com ele. Se isso não acontecer, vire o disco e tente novamente. Recebemos um monte de CDs que são interessantes e descartáveis, mas ocasionalmente um acontece de ser mágico e se torna um item permanente em nossa coleção.


MDMA (Ecstasy) e o Reagente Marquis

Caro Dr. Shulgin:

Olá. Eu estou escrevendo um ensaio de 7000 palavras sobre o ecstasy, e eu não consigo achar informação que eu preciso sobre o reagente Marquis. Você pode me dizer o que ele é e o que faz? Obrigado

Shulgin:
O reagente Marquis é um ensaio de mancha de alcalóides que foi relatado pela primeira vez em 1896. O agente de teste original era uma mistura de 2 gotas de 40% de formaldeído e 3 ml de ácido sulfúrico concentrado. Ele foi originalmente usado para a detecção de pequenas quantidades de certos alcalóides, e para distinguir entre eles. A assinatura do alcalóide é tanto a cor inicial produzida, bem como a seqüência de alterações de cor que ocorrem ao longo do tempo. Nos primeiros dias do reagente Marquis foi usado principalmente para distinguir os alcalóides do ópio. Cada alcalóide tinha um padrão de mudança de cor. Ele está sendo usado hoje como uma das ferramentas de identificação, na tentativa de estabelecer apenas o que pode estar presente em algo que é vendido como ecstasy. Os compostos da família do MDA, MDMA, MDE dão uma cor roxo-negro, enquanto que com a anfetamina é geralmente uma cor castanho alaranjado.

 

À medida que o teste é muito sensível, nenhuma estimativa pode ser facilmente feita em relação à quantidade de alcalóide presente. E, claro, uma cor escura tende a esconder uma cor clara. Tal como acontece com todos os ensaios que exige interpretação subjetiva, a experiência é tudo. Infelizmente, com a nossa presente orientação restritiva em matéria de drogas Agendadas, é quase impossível obter amostras documentadas de alcalóides de referência, limitando ainda mais a precisão deste tipo de testes de campo.


MDMA (ecstasy) e Buracos no cérebro?

Caro Dr. Shulgin:

Ultimamente eu tenho ouvido muita conversa sobre o fato de que cada vez que você tomar ecstasy ele irá causar danos permanentes no cérebro. Eu também ouvi que o ecstasy coloca buracos no cérebro. Estas afirmações são verdadeiras?

Shulgin:

Não, elas não são. A “lesão cerebral permanente” baseia-se totalmente em estudos realizados com animais experimentais e com os resultados extrapolados para abranger o sujeito humano. Em uma declaração simples, não houve estudos no homem que indicaram lesão cerebral.

Os “buracos no cérebro” é um engano ainda mais ultrajante. Estes buracos populares são áreas em exames cerebrais que aparecem menos ativo em atrair agentes radiomarcados que são agonistas para certas áreas do site receptor.

As imagens que são mostradas para comparação não são da mesma pessoa, com ou sem MDMA neles, mas de pessoas diferentes, um dos quais tem usado uma grande quantidade de ecstasy e o outro sem qualquer tipo de registro de uso. A quintessência desta linha de mitologia é um artigo que apareceu recentemente na Willamette Week. Ela não só garantiu o leitor de que havia buracos gerados pela perda de serotonina, mas que ficou inundado com dopamina (neurotransmissor padrão) e, sendo atacado por peróxido de hidrogênio, produzidos ferrugem.

Desculpe guerreiros antidrogas. Nenhum dano, sem buracos, sem ferrugem.


Tolerância MDMA (ecstasy)

Caro Dr. Shulgin:

Você pode me explicar por que MDMA tem o que parece ser uma ocorrência tão prolongada de tolerância? Eu ouvi um monte de meus amigos “ravers” me dizerem que eles simplesmente não sentem o efeito tão forte como eles costumavam sentir, e acho que é difícil acreditar que isto pode ser simplesmente apagado como uma diminuição da qualidade de comprimidos. Muitos dos meus amigos me disseram que nas primeiras vezes foram as melhores, mas eles simplesmente não sentem os efeitos tanto quanto antes.

Eu me sentiria muito mais confiante em suas garantias de que o MDMA não é neurotóxico, se eu percebesse uma tolerância ao MDMA que é semelhante a psilocibina ou ao LSD… mas eu não consigo. Você pode me ajudar Sasha? Estou preocupado!

Caro Dr. Shulgin:

Depois dos meus primeiros 150 comprimidos de MDMA, qualquer pílula MDMA que eu tomei depois eu senti que os efeitos positivos eram muito baixos e os negativos muito altos. Eu ainda estava tentando fazer com que esse sentimento adorável voltasse, mas eu não consigo absolutamente nada a não ser uma ressaca desagradável. Eu parei por um par de meses, então tentei novamente e nada mais que uma ressaca horrível… Eu nunca mais vou ter a sensação adorável de novo ou se foi para sempre?

 

Shulgin:

Eu combinei essas cartas em que ambos estão experimentando a mesma propriedade que o MDMA invoca com o uso repetido, e que ambos estão fazendo a mesma pergunta à procura de alguma explicação.

A propriedade que você está enfrentando é a que eu chamo de perda da magia dessa primeira experiência. Minha primeira experiência com este fármaco foi realmente mágico. De repente eu estava um com eu mesmo, um com o mundo; Eu era uma pessoa que não tinha segredos para si mesmo, e que podia confiar em outras pessoas para ser tão honesto com ele como ele estava sendo consigo mesmo.

Quase todo mundo tem uma lembrança vívida de sua primeira experiência. Isso é o que eu chamo de “mágica”. Mas que normalmente é perdida depois de algumas experiências e, eu acredito, nunca é recuperada. As propriedades estimulantes ainda estão lá, olhos tremendo e os dentes rangendo ainda estão lá, um pouco do calor e interações confortáveis, mas a magia se foi.

Esta não é a tolerância do ponto de vista farmacológico. A tolerância é perdida com o tempo. Eu não acredito que esta perda “mágica” é em si recuperada. Parece que, após certo número de drogas utilizadas, a magia vai para longe. O número exato varia provavelmente com a pessoa.

O que nos leva ao segundo ponto, a que se refere aos relatórios que o MDMA pode ser neurotóxico. Apesar da extensa pesquisa que foi gasto em cima dele, ainda não há evidência objetiva de que MDMA danifica os nervos humanos. Mas eu certamente não posso argumentar, mas que há mudanças cerebrais que poderiam ser atribuíveis. Tome esta “perda da mágica” como um exemplo. Alguma mudança no cérebro ocorreu, e não parecem ser reversíveis. Isso é uma evidência de “dano?” Eu não penso assim, mas eu não sei. Alterar? Sim. Nunca podemos trilhar o mesmo caminho duas vezes para a atribuição de responsabilidade e de causalidade, é incerto. Definições que distinguem entre o dano e a mudança podem ajudar.


Fazendo MDMA (II): “Ecstasy, MDMA & Safrol

Caro Dr. Shulgin:
Do que o Ecstasy é feito?

 

Shulgin:

Antes de eu começar a responder à sua pergunta, deixe-me reformular isso apenas um pouco. Como eu havia mencionado em um par de escritos anteriores, o termo “Ecstasy” tem uma série de sinônimos. É um eufemismo para qualquer droga que é vendida em uma rave. Pode ser MDMA, mas é mais provável que seja alguma outra droga como o DXM, PMA, MDA, PMMA, GHB, Speed, ou Deus sabe lá o quê. Pode ser “ecstacy” (ouvi dizer que esta grafia incorreta foi com direitos de autor), o que sugere que poderia ser efedrina, pseudoefedrina, efedra, Ma Huang, ou Deus sabe lá o quê. Ou ele pode realmente ser MDMA. Então me deixe reformular a pergunta: Do que o MDMA é feito?

Então, de onde vem esse Safrol ? Duas das principais fontes são botanicamente óleos sassafrás distintos. Não é o óleo de sassafrás norte-americano feito a partir da casca da raiz da árvore de sassafrás albidum da Costa Leste, que cresce em estado selvagem no Maine até a Flórida, e no Oeste do Mississipi. E há o óleo de sassafrás brasileiro feito a partir das partes lenhosas acima do solo da árvore Ocotea pretiosa, que é encontrado nas florestas do Brasil central e no Oeste da Colômbia. Há alguns relatos de Safrol sendo componentes consideráveis ​​de Óleo de Anise (Illicium verum, I. parviflorum), mas o principal composto nestes óleos é anetol, não Safrol. E se o Óleo de Anise era para ser utilizado em erro como uma suposta fonte de Safrol, este material poderia dar origem a PMA, o qual tem sido mostrado ser muito tóxico. PMA tem sido visto como um substituto do “Ecstasy”, e eu gostaria de saber se o uso leviano de Óleo de Anise como fonte presumida de Safrol, poderia ter sido a origem da PMA na cena Rave do Ecstasy. Uma fonte adicional de Safrol é Óleo de cânfora. Foi convertido em “óleo de sassafrás sintético” por congelação e subseqüente destilação, e tem o nome alternativo de “óleo de cânfora amarelo.” É uma pobre, mas teoricamente disponível, fonte de Safrol.

Mas se a sua pergunta é sobre as origens botânicas de MDMA, deixe-me impor várias advertências. Em primeiro lugar, a síntese de MDMA é um ato ilegal e, se documentado no tribunal, irá colocá-lo na prisão por muitos anos. E até mesmo a busca inocente para algumas dessas fontes botânicas pode ser desagradável. Há uma lista de produtos químicos que são usados ​​no fabrico de substâncias controladas, (chamada lista 1 pela DEA), que fazem a posse de qualquer destes produtos químicos uma razão para perguntar se você teve a intenção de fabricar MDMA. Nessa lista não estão explicitamente nomeado piperonal, 3,4-metilenodioxifenil-2-propanona (este é um sinônimo para piperonylacetone), isosafrol e safrol. Estes são os exatos compostos citados acima que estão implicados na síntese de MDMA.

As armas de aplicação da lei que podem ser utilizados neste domínio são muito fortes e muito bem definidos. Nem sequer pense sobre a criação de um laboratório em seu porão para fazer essas coisas. Você poderia ser gravemente ferido.


Pergunte ao Dr. Shulgin é um serviço publico feito por Dr. Alexander Shulgin e o Center for Cognitive Liberty & Ethics(CCLE). Dr. Shulgin é químico e autor. Ele criou mais de 200 novas substancias químicas com propriedades visionárias.
Todas as perguntas podem ser encontradas aqui.

2885703122_b4bba5480c_o

Foto por Renata Mein


Agradecemos imensamente a tradução feita pelo colaborador Kaio Shimanski.
Seja você também um colaborador, entre em contato:

equipemundocogumelo@gmail.com

Obtenha mais conteúdo como esse

Inscreva-se em nossa newsteller e receba os novos posts em seu email!

2 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 16 =